quarta-feira, 3 de março de 2010

Dogs e babys: a polêmica!

Cena sonho de consumo de 10 entre 10 apaixonados por cachorros e crianças (Foto: Divulgação)

Muito bom o assunto levantando pela Janaína, dona do Will, em seu comentário no post anterior: a polêmica convivência entre bebês e cães. Sei de muitos casos de famílias que doaram e até abandonaram seus mascotes depois da chegada do filho humano. FEIO, MUITO FEIO, VIU!!!!

Cães e crianças combinam! Arrisco a dizer que foram feitos um para o outro, MAAAAASSSSSSSSSSS... é preciso saber juntar os filhotes. E isso exige amor e dedicação e, infelizmente, nem todos estão dispostos.

Por outro lado, também conheço pais de primeira viagem que souberam fazer a integração entre babys e dogs e o resultado é maravilhoso.

Eu mesma, com freqüência, sou "alfinetada" pela minha família sobre este assunto. Vivem dizendo: "O Ogro vai deixar de ser o reizinho quando tu tiver um filho" ou "Tu nem vai lembrar do cachorro". Ao que eu prontamente respondo: "Vocês tão viajando!" e encerro o assunto! Quando o rebento chegar (por enquanto está só nos planos, mas como dizem, aos 34 anos, estou no deadline!) pretendo juntar Ogro e baby com toda naturalidade. Sei que nestes casos o amor se multiplica, e não se divide.

Para que tudo dê certo, é preciso saber lidar com a situação. Então passo a vocês algumas dicas que aprendi nas minhas leituras sobre como evitar as mordidas indesejadas, já que elas são o maior temor dos pais:

CRIANÇAS + CÃES FILHOTES

É preciso saber que nem toda mordida é sinal de agressividade. Os filhotes brincam com as crianças da casa como brincavam com os outros filhotes da ninhada. E as mordidas surgem naturalmente, sem nenhum contexto agressivo. Mas isso não quer dizer que as mordidas devem ser toleradas. É preciso educar o cão a não morder e, ao mesmo tempo, orientar as crianças a não se deixarem morder. Pressione a língua do cão para baixo com o polegar a cada tentativa de mordida. A sensação desagradável fará ele desistir.

CRIANÇAS + CÃES ADULTOS

Em qualquer matilha, os cães adultos são responsáveis pela educação e proteção dos filhotes. Quando um adulto quer reprimir um filhote – para que ele interrompa qualquer comportamento impróprio – ele pressiona os dentes sobre o focinho do filhote. É uma pressão leve, para conter e não para machucar. Da mesma forma, podemos ter nosso cão tentando evitar que o bebê se exponha ao perigo, ou mesmo que a criança aprenda a lidar com o cão de forma mais gentil. Não é incomum que as crianças machuquem ou até sufoquem os cães quando brincam. Em vários casos, os cães já tentaram de tudo antes de chegar na mordida. Apesar desta mordida ser – na maioria das vezes – entendida como uma agressão, ela nada mais é do que o cão educando a criança.

OU SEJA:

Tão importante quanto acostumar o cão à presença da criança, é preciso ensinar a criança a respeitar o cão.

ALIÁS!

Se alguém estiver enfrentando qualquer dificuldade para juntar em casa filhos e cães, lembro que também trabalhamos aqui na PetCreche com consulta comportamental. A médica veterinária Joice Peruzzi, especialista em comportamento animal, saberá orientar perfeitamente como fazer esta integração.




Um comentário:

Janaína disse...

Demorei a voltar a ler o blog e me surpreendi com o número de postagens que perdiii!!! Vou ter que ficar atenta.

Eu concordo plenamente com o que vc expôs, por isso me indignei contra a moça que deu seus filhos peludos...

Mas da minha parte o Will continuará sendo meu filhote... tb sou alfinetada pelos parentes e tb deixo pra lá: um BOM exemplo vale mais que mil palavras.

Bjs.